GRANDE PRÊMIO

Akram Zaatari (Líbano, 1966)
Tomorrow everything will be alright, 2010
Ao longo de uma intensa troca de ideias no decorrer de uma noite, uma história de amor, perda e saudade se desenrola. O trabalho é uma espécie de homenagem ao cineasta francês Éric Rohmer e à sua atenção ao detalhe do cotidiano humano.


 
 

PRÊMIOS DE RESIDÊNCIA

Prêmio de Residência Artística FAAP – São Paulo, Brasil
Moran Shavit (Israel/Alemanha, 1982)
Exploring, 2010
Ao revisitar, na idade adulta, a correspondência que trocou com seu pai quando ele trabalhava em um navio cargueiro, a artista rearticula espaços geográfico e subjetivo, e memórias objetiva e afetiva, esboçando uma cartografia psicológica em processo.

 
 
Prêmio de Residência Artística FAAP – São Paulo, Brasil
Natasha Mendonca (Índia, 1978)
Jan Villa, 2010
Mesclando registros documentais e memórias pessoais, a obra retrata a situação de Mumbai depois da inundação causada pelas monções de 2005. Revisitando seu bairro, que dá nome ao trabalho, a artista analisa o desmantelamento de santuários pessoais.

 
 
Prêmio de Residência Artística – Sacatar – Itaparica, Brasil
Claudia Joskowicz (Bolívia/EUA, 1968)
Round and round and consumed by fire, 2009
A obra, uma única lenta tomada panorâmica, inspira‐se em cena de Butch Cassidy e Sundance Kid, quando a dupla é encurralada pela polícia boliviana. A cena quase inerte cria um efeito de ansiedade, ressalta os vazios da narrativa e reinventa sua dinâmica.

 
 
Prêmio de Residência Artística – Kiosko – Santa Cruz de la Sierra, Bolívia
Adriano Costa (Brasil-SP, 1975)
Tapetes, 2010
O artista se apropria de objetos cotidianos e os dispõe de maneira que define como “pré‐escultórica”, para explorar o momento indefinido em que algo ainda não foi determinado como arte. A obra problematiza o estatuto que atribui caráter artístico.


 
 
Prêmio de Residência Artística – Kiosko – Santa Cruz de la Sierra, Bolívia
Liu Wei (China, 1965)
Uma tentativa de resgate da memória de 1989, quando chineses foram às ruas em protesto contra o governo de Deng Xiaoping. Em linguagem direta, que inclui relatos do próprio artista, a obra analisa o poder da memória ante a indiferença.
Unforgettable Memory, 2009

 
 
Prêmio de Residência Artística – Videoformes – Clermont-Ferrand, França
Gabriel Mascaro (Brasil-PE, 1983)
As aventuras de Paulo Bruscky, 2010
A obra encena um encontro entre o autor e Paulo Bruscky, artista recifense, na plataforma virtual Second Life. Emergem do diálogo questões sobre o estatuto das manifestações culturais, as possibilidades do espaço digital e sua relação com o real.

 
 
Prêmio de Residência Artística – WBK Vrije Academie – Haia, Holanda (um prêmio)
Dirceu Maués (Brasil-PA/DF, 1968)
Em um lugar qualquer – Outeiro, 2009
Imagens captadas com câmeras pinhole feitas com caixas de fósforos servem de base a esta animação, que reconstrói a paisagem da praia do Outeiro, em Belém do Pará. Uma estética marcada pelo afeto – e fora do tempo – emerge da operação.


 
 
Prêmio de Residência Artística – pARTage – Flic-en-Flac, Ilhas Maurício
Carla Zaccagnini (Argentina/Brasil-SP, 1973)
Bravo-Radio-Atlas-Virus-Opera, 2010
Uma projeção exibe o registro, em tempo real, de uma travessia transoceânica pelo canal do Panamá. A embarcação surge cercada por água, mas descontextualizada. Poucos elementos orientam a leitura do trabalho, que articula o cenário natural e a ação humana.


 
 

MENÇÕES HONROSAS

Sebastián Diaz Morales (Argentina/Holanda, 1975)
Oracle, 2009
Imagens aparentemente aleatórias e sem relação se alternam em um mosaico em construção que alude à tradição do oráculo grego. Em Oracle, o vaticínio é a própria capacidade do espectador de atribuir sentido a uma teia complexa de símbolos.

 
 
Eder Santos (Brasil-MG, 1960)
Pilgrimage, 2010
A partir do percurso do minério de ferro, que acompanha da exploração à exportação, a obra reinventa o estatuto do acontecimento, analisando a relação entre natureza e cultura, e deslocando a relação espectador‐obra‐indústria.

 
 
Milton Machado (Brasil-RJ, 1947) e Cacá Vicalvi (Brasil-SP, 1953)
Vermelho, 2009
Parte de uma pesquisa do artista envolvendo imagens e elementos de uma fábrica moveleira transpostos para uma galeria, o trabalho subverte os estatutos da arte e da indústria, evidenciando relações entre âmbitos teoricamente estanques.