Exposições como lugar de arte, educação e formação

A curadoria educativa do 17º Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil amplia e aprofunda as formas de contato entre diferentes públicos e as obras e ideias presentes nas exposições Panoramas do Sul e Olafur Eliasson – Seu corpo da obra. É delas que emergem os temas, linhas de força e linguagens que inspiram seminários, palestras, oficinas, cursos e visitas-ateliê voltados para adultos, crianças, jovens, famílias, educadores, estudantes e interessados em práticas artísticas – além de visitas mediadas disponíveis durante todo o Festival.

Um curso de formação em arte contemporânea, construído em torno do acervo da Videoteca Videobrasil e voltado a professores, abriu a programação, no SESC Pinheiros, a partir de julho. Em setembro, o SESC Belenzinho promove os Encontros SESC_Videobrasil, que fazem uma retrospectiva temática do Festival e introduzem recortes da mostra Panoramas do Sul.

A partir de 24.9, os Seminários Panoramas do Sul reúnem artistas, curadores e pesquisadores de várias regiões em torno das questões envolvidas na produção, circulação e crítica de arte no contexto do Sul geopolítico do mundo. As mesas se estendem até dezembro, em edições mensais, e se organizam em torno do estudo de propostas de formação, curadoria, publicações e redes de instituições.

No dia 1º de outubro, Olafur Eliasson fala de seu trabalho e de suas visões de arte em palestra no SESC Pompeia. No dia 4, é a vez de o cineasta brasileiro Karim Aïnouz comentar sua colaboração com o artista dinamarco-islandês na obra Sua cidade empática, exposta no SESC Pompeia, e o documentário que prepara sobre Eliasson para a série Videobrasil Coleção de Autores.

Temas centrais na obra de Eliasson e estratégias que atravessam as duas exposições, como os dispositivos ópticos que sugerem novas formas de olhar, movem a programação de minicursos, voltada a estudantes, educadores e interessados em arte, e as oficinas para jovens. No SESC Pompeia, o Ateliê para Pesquisas Espaciais repercute de maneira acessível as investigações de Olafur Eliasson em seu instituto de pesquisa na Alemanha.

Aos sábados e domingos, o público pode se aventurar em visitas-jogo às exposições; durante a semana, no SESC Belenzinho, um ateliê móvel se incorpora às visitas mediadas com crianças, que podem registrar sua experiência no livro Nas rotas da arte: Um diário de visita.

O crescente interesse de instituições de ensino nas exposições de arte como espaços de contato com questões de suas disciplinas serve de base ao laboratório móvel. A iniciativa propõe a ocupação das exposições do Festival por docentes e alunos de arte, arquitetura, museografia, design, sinalização, curadoria e mediação. O projeto conta com a parceria institucional da Escola da Cidade, Fundação Armando Alvares Penteado, Faculdade Santa Marcelina, ECA- USP, FAU-USP, PUC São Paulo, Instituto de Artes da Unesp, Escola São Paulo e Institut für Raumexperimente (Instituto para pesquisas espaciais) do Estúdio Olafur Eliasson.